parcerias
26 de agosto de 2016

Projetos Parcerias

Beira Mar Beira Rio

Com o objetivo de promover a cidadania e inclusão social, por meio de atividades socioculturais, ambientais e educacionais o projeto “Beira Mar Beira Rio” foi criado, por meio de muitos com muitos diálogos entre Mauro Munhoz (arquiteto urbanista), presidente da Associação Casa Azul, Luiz Pereque (cantor, compositor e poeta) fundador do Silo Cultural e Bernadete Passos ( atriz e diretora e gestora cultural) presidente do Instituto Colibri. Em fevereiro de 2016 o Beira Mar Beira Rio inicia uma ação alavancando a coleta seletiva nos bairros Ilha das Cobras e Mangueira, do município de Paraty. Em 2015 a Associação Casa Azul é contemplada com o edital de Furnas Eletrobras, e em 2016, o Instituto Colibri apoia e produz com muitos parceiros o Beira Mar Beira Rio, fortalecendo a Cooperativa dos Catadores Guardiões da Natureza. O projeto tem uma ação símbolo na Praça da Paz, reunindo as comunidades moradoras dos bairros citados e diversos atores importantes preocupados com o meio ambiente e com a qualidade de vida dos cidadãos.


BR Mão Dupla – 2016

Parceria com Renato Imbroisi

Criação de acervo exemplar p/ o Museu PAVILHÃO DAS CULTURAS BRASILEIRAS, a partir de exposição itinerante. Inicialmente serão 150 obras de arte, selecionados por curadores c/ acompanhamento do Dep. de Museus da Secret. Mun. de Cult./SP, montadas em caminhão, adaptado c/ cenografia e tecnologia. Circulará por 13 cidades do Sul e Centro-Oeste, adquirindo novas obras. Realização de 13 oficinas de arte e criação de banco de dados c/ mapeamento de artistas locais. Pretende-se alcançar 58.000 pessoas.

Proponente: Via das Artes Assessoria, Projetos e Marketing Cultural Ltda

Criação e Direção artística – Renato Imbroisi


Lá e Cá – 2016

Parceria com Renato Imbroisi

A exposição Lá e Cá é elaborada durante o processo de criação do livro Lá e Cá.

A ideia do livro Lá e Cá surgiu a partir da constatação feita pelo designer de artesanato Renato Imbroisi de que há ocorrências de grande semelhança entre o artesanato produzido no Brasil e nos 5 países africanos de língua portuguesa (Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe). Pioneiro do design de artesanato no Brasil, Imbroisi atua desde 1997 em grupos de artesãos de todo o país; em 2003, começou a trabalhar também em Moçambique e, três anos depois, em São Tomé e Príncipe. A primeira vez que se deu conta desta semelhança foi em oficinas de cestaria que realizou na Costa do Sauípe, no Norte do Estado da Bahia, Brasil, e em Palmas, no Norte da Província de Cabo Delgado, Moçambique: a fibra usada aqui e lá, a piaçava, é da mesma espécie, e o desenho, que lembra as escamas da pele da cobra, também é parecido, assim como o uso de cores vivas. A partir daí, passou a observar e pesquisar estes encontros de forma, estilo, conteúdo, cultura, principalmente na área do artesanato. A pesquisa foi ampliada e sistematizada em parceria com a escritora e jornalista Maria Emilia Kubrusly, após efetivação de contrato para publicação do livro – que pode vir a ser o primeiro de uma série, ampliando-se o assunto e estendendo-se a abordagem a outros países, técnicas artesanais e aspectos culturais.